31 de julho, 2017
492

VIOMUNDO DENÚNCIAS: Três homens contra Mayara Amaral. Ela está morta. Carbonizada

Por Patrícia Zaidan, na revista Claudia - Pauliane Amaral, irmã de violonista assassinada: Polícia e jornalistas passam o pano para homicidas brutais... VIOMUNDO 30/julho/2017 às 11h35

A polícia embarca na versão dos agressores, investiga como latrocínio e desconsidera a hipótese de feminicídio. O jornalismo erra junto com ela...

O jornalismo está devendo muito às mulheres. Devendo respeito à verdade delas.

As informações publicadas na chamada grande imprensa sobre a barbaridade cometida contra a musicista Mayara Amaral, 27 anos, são um vexame.

A violonista, que vivia em Campo Grande, foi dada como desaparecida na segunda-feira (24/7). Seu corpo ressurgiu carbonizado na terça.

Embora tenha todas as características de feminicídio, de crime horrendo que envolveu três homens, rito machista que subjugou a mulher e abuso sexual seguido de morte, as autoridades do caso conduzem as investigações no escopo do latrocínio — o roubo que se completa na extinção da vida.

Foi preciso que Pauliane Amaral, irmã mais velha de Mayara, se insurgisse contra o tratamento dado por policiais e jornalistas. Só assim soubemos o que aconteceu de verdade.

Antes de ela postar seu texto nas redes sociais, nenhum veículo havia usado a palavra feminicídio.

Pior, as notícias induziam à versão de uma Mayara que topou uma balada pesada com os estupradores, deu brechas para o triste fim.

A escolha de fotos dela para ilustrar jornais físicos e digitais recaiu na linha batom vermelho ou em poses que, no contexto, tentam conferir contornos de frivolidade, volúpia e erotização. Fora dele, as fotos são de uma mulher como todas nós. Uma brasileira comum.

No mínimo, Tiago Macedo, o delegado responsável pela apuração, devia se atentar para isto: um dos três homens presos, Luís Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, não era um estranho, mas alguém com quem Mayara havia saído algumas vezes.

Segundo os jornais, Luís é músico e tocava com Mayara. Eles foram a um motel. Ali, um outro homem participou do estupro contra ela. Os acusados disseram que a violonista aceitou. Doutor Tiago Macedo: o senhor não caiu nessa, né? Havia um martelo. Com o qual Mayara fora golpeada até perder os sentidos.

Concordo com a pergunta de Pauliane: Se Mayara consentiu com a transa a três, por que um martelo na jogada?

Pauliane diz no texto: “Eis a versão do monstro: minha irmã consentiu em ser violada, eles decidiram roubá-la, ela reagiu fisicamente, e eles, sob o efeito de drogas, golpearam-na com o martelo – ela morreu por acidente.”

O acusado, bem instruído por seu advogado, pode dar a versão que mais gostar. Mas o delegado, não.

Bem, Luís e o amigo contaram que puseram Mayara, morta, no carro dela (um Gol velhusco, de 1992), foram até a casa de um terceiro fulano, dividiram os pertences da violonista (o tal produto do roubo), lançaram o corpo em um matagal perto da estrada e tacaram fogo. Apenas as mãos da violonista ficaram inteiras, os outros membros viraram carvão.

O trio parece ter convencido o delegado. O veículo Campo Grande News atribuiu estas pérolas a Tiago Macedo: “Neste caso, ao que tudo indica até o momento, não houve homicídio. O que aconteceu ali é que o autor, verificando a possibilidade de cometer um roubo, atraiu a vítima e teve como resultado deste crime, que é um crime contra o patrimônio, a morte da vítima. Nós verificamos que existe uma tendência das pessoas afirmarem que porque uma mulher morreu é feminicídio, mas isso não corresponde ao ordenamento jurídico”.

Ora, se não foi feminicídio, o hediondo crime de ódio contra as mulheres, o que aconteceu, então? E o estupro? Não conta, doutor Tiago? Trata-se de mero detalhe? Dispensa investigação? Não é crime, e sim, consenso!

Três dias após os fatos não li reportagem investigativa. Não foram ouvidos a família, os amigos, os funcionários do motel. Ninguém reconstituiu a trajetória macabra. Os jornalistas esqueceram como se faz bom jornalismo.

Mayara, aos 27 anos, termina carbonizada. Fim dos sonhos, da breve carreira de musicista, que incluiu um mestrado na Universidade Federal de Goiás. Seu tema na dissertação: as mulheres compositoras e intérpretes no violão erudito. Queria dar visibilidade a elas em um mundo ainda muito másculo. Some uma cidadã que podia ir longe, amar muito, desenvolver projetos profissionais, pessoais e familiares…

Foram três homens contra uma mulher. Não vai ficar assim. Haverá uma manifestação em Campo Grande pedindo apuração severa, rigorosa e pena pesada. Outro ato está sendo planejado em São Paulo. Nós vamos apoiar.

Transcrevo aqui o desabafo de Pauliane Amaral, postado por ela nas redes sociais. Trata-se de uma importante reflexão sobre a polícia e o desrespeito que a imprensa reserva às mulheres.
___________________________________________________________

Quem é Mayara Amaral? por Pauliane Amaral

Minha irmã caçula, mulher, violonista com mestrado pela UFG e um dissertação incrível sobre mulheres compositoras para violão. Desde ontem Mayara Amaral também é vítima de uma violência que parece cada vez mais banal na nossa sociedade. Crime de ódio contra as mulheres, contra um gênero considerado frágil e, para alguns, inferior e digno de ter sua vida tirada apenas por ser jovem, talentosa, bonita… por ser mulher.

Mais uma vez a sociedade falhou e uma mulher, uma jovem professora de música de 27 anos, foi outra vítima da barbárie de homens que não podem nem serem considerados humanos. Foram três, três homens contra uma jovem mulher.

Um deles, Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, por quem ela estava cegamente apaixonada, atraiu-a para um motel, levando consigo um martelo na mochila. Lá, ele encontrou um de seus comparsas.

Em uma das matérias que noticiaram, o crime os suspeitos dizem que mantiveram relações sexuais com minha irmã com o consentimento dela. Para que o martelo então, se era consentido?

Estranhamente, nenhuma das matérias aparece a palavra ESTUPRO, apesar de todas as evidências.

Às vezes tenho a sensação de que setores da imprensa estão tomando como verdade a palavra desses assassinos. O tratamento que dão ao caso me indigna profundamente.

Quando escrevem que Mayara era a “mulher achada carbonizada” que foi ensaiar com a banda, ela está em uma foto como uma menina. Quando a suspeita envolvia “namorado” hiper-sexualizam a imagem dela. Quando a notícia fala que a cena do crime é um motel, minha irmã aparece vulnerável, molhada na praia.

Quando falam da inspiração de Mayara, associam-na com a história do pai e avô e a foto muda: é ela com o violão, porém com sua face cortada. Esse tipo de tratamento não representa quem minha irmã foi. Isso é desumanização. Por favor, tenham cuidado, colegas jornalistas.

Para nossa tristeza, grande parte das notícias dão bastante voz aos assassinos e fazem coro à falsa ideia de que os acusados só queriam roubar um carro. Um carro que foi vendido por mil reais. Mil reais. Um Gol quadrado, ano 1992. Se eles quisessem só roubá-la, não precisariam atraí-la para um motel.

Um dos assassinos, Luís, de família rica, vai tentar se livrar de uma condenação alegando privação momentânea dos sentidos por conta de uso de drogas. Não bastando matar a minha irmã, da forma que fizeram, agora querem destruir sua reputação.

Eis a versão do monstro: minha irmã consentiu em ser violada por eles, elas decidiram roubá-la, ela reagiu fisicamente e eles, sob o efeito de drogas, golpearam-na com o martelo – e ela morreu por acidente.

Pela memória da minha irmã, e pela de outras mulheres que passaram por esta mesma violência, não propaguem essa mentira! Confio que a Polícia e o Ministério Público não aceitarão esta narrativa covarde, e peço a solidariedade e vigilância de todos para que a justiça seja feita.

Na delegacia disseram à minha mãe que uma outra jovem já havia registrado uma denúncia contra Luís por tentativa de abuso sexual… Investiguem!

Se essa informação proceder, este é mais um crime pelo qual ele deve responder. E uma prova de como a justiça tem tratado as queixas feitas por nós, mulheres. Se naquela ocasião ele tivesse sido punido exemplarmente, talvez minha irmã não tivesse sofrido este destino.

Foi tudo premeditado: ela foi estuprada por dois desumanos.

O terceiro comparsa – não menos monstruoso – ajudou a levar o corpo da minha irmã para um lugar ermo, e lá atearam fogo nela, como se a brutalidade das marteladas no crânio já não fosse crueldade demais.

Minha irmã foi encontrada com o corpo ainda em chamas, apenas de calcinha e uma de suas mãos foi a única parte de seu corpo que sobrou para que meu pai fizesse o reconhecimento no IML. “Parece que ela fazia uma nota com os dedos”, disse meu pai pelo telefone.

A confirmação veio logo depois, com o resultado do exame de DNA. Era ela mesmo e eu gritei um choro sufocado.

Eu vou dedicar o meu luto à memória da minha irmã, e a não permitir que ela seja vilipendiada pela versão imunda de seus algozes. Como tantas outras vítimas de violência, a Mayara merece JUSTIÇA – não que isso vá diminuir nossa dor, mas porque só isso pode ajudar a curar uma sociedade doente, e a proteger outras mulheres do mesmo destino.
___________________________________________________________


Leia também: 

Mayara Amaral era violonista com mestrado pela UFG e um dissertação incrível sobre mulheres compositoras para violão:  "Para que minha irmã seja lembrada pelo que fez em vida, compartilho hoje o link da dissertação dela, sobre compositoras para violão na década de 1970.
"O papel da mulher na história da música tem sido revisto ao longo dos últimos vinte anos, constituindo um novo campo de estudos chamado estudos de gênero. Na música, estes estudos têm levantado as biografias de mulheres compositoras e intérpretes, com destaque para as suas obras e atuações. Isso porque relatar o papel de mulheres na produção musical é dar um olhar mais abrangente para a história, ampliando-o para novas fontes de pesquisa"

AMARAL, M. A mulher compositora e o violão na década de 1970: vertentes analíticas e contextualização histórico - Dissertação (Mestrado em Musica) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017

O presente trabalho tem como objetivo analisar e apresentar um breve relato biográfico e a obra de compositoras brasileiras compostas na década de 1970. Entre os  objetivos secundários estão a contribuição para o repertório violonístico nacional, no  sentido de dar visibilidade a obras pouco conhecidas e tocadas, e evidenciar a participação da mulher no cenário da composição musical brasileira, voltando o olhar para a produção  violonística. Para encontrar as obras, foram utilizadas fontes de busca diversas, como: catálogos de obras, livros, bem como entrevistas realizadas durante a pesquisa. As  compositoras encontradas e aqui abordadas são: Lina Pires de Campos, Adelaide Pereira da  Silva, Eunice Katunda, Esther Scliar e Maria Helena da Costa. Das diversas obras  encontradas, selecionamos apenas uma peça de cada compositora, representando suas linguagens e vertentes estilísticas. O referencial principal utilizado para as análises foi o livro de John White (1976), The Analysis of Music. Incluímos ainda os preceitos de Schoenberg (1996) e Kostka (1999). Os resultados encontrados foram algumas  congruências estilísticas entre algumas obras aqui analisadas, bem como aspectos que dialogam com as vertentes estilísticas do período analisado.
___________________________________________________________

Jornal do Brasil: Feminicídio contra Mayara Amaral mobiliza ativistas em todo país - 03/08 às 16h02 - Atualizada em 03/08 às 16h07 - Mobilizadas pelo caso do assassinato de Mayara Amaral, crime classificado por autoridades como latrocínio em vez de feminicídio, mulheres de outras seis capitais no país sairão às ruas nos próximos dias em protesto. 

Em Florianópolis, onde ocorre o Congresso 13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero 11, cerca de 10 mil mulheres saíram às ruas nesta quarta-feira (2).

No Rio de Janeiro, o ato acontece nesta quinta-feira (3), a partir das 17h, na Praça Cinelândia, no Centro da cidade. Na próxima sexta-feira (4), acontece em São Paulo, em Campo Grande e Natal. No sábado (5), a manifestação ocorrerá em Curitiba, e na quarta-feira do dia 16, em Goiânia... continua (link no título da matéria). 

CARTA CAPITAL Política Feminicídio: Mulheres pedem justiça para Mayara, mais uma vítima de feminicídio, por Victória Damasceno — publicado 04/08/2017 01h00, última modificação 04/08/2017 10h28 - Repúdio ao caso brutal, tipificado pela polícia como "latrocínio", leva brasileiras às ruas e enseja debate sobre a violência machista contra mulheres...

Mulheres de diversas capitais brasileiras sairão às ruas, mais uma vez, para protestar contra um feminicídio. Desta vez, a vítima foi Mayara Amaral, cujos 27 anos foram interrompidos pela ação brutal de três homens na quarta-feira 27... continua (link no título da matéria).
___________________________________________________________
Acesse, curta e recomende o JORNAL DO NASSIF

Participe do BLOG e comente esta matéria (dentro das regras abaixo)!

- Enviaremos um e-mail para confirmar se a postagem realmente é sua e não um fake (seu endereço de e-mail não será publicado, será mantido sob sigilo).
- Os comentários serão moderados e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva do autor do comentário.
- Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1000 caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência.
- Não há, contudo, moderação ideológica.
A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade.
Obrigado!

Limite de caracteres no comentário : 1000

Total restante: