23 de novembro, 2017
239

EMPATIA COM A SOFRÊNCIA, por Maria Cristina Fernandes no Valor Online

"Vem falar em meritocracia na Vila Nova Cachoeirinha!" Quanto você quer para não divulgar isso? O Conversa Afiada reproduz do PiG cheiroso apenas alguns trechos de magnífico artigo de Maria Cristina Fernandes de título "Empatia contra  a sofrência": Conversa Afiada por PHA Paulo Henrique Amorim em 23/nov/2017.

EMPATIA COM A SOFRÊNCIA,
por Maria Cristina Fernandes no Valor  Online
em 23/11/2017
 * texto completo via GS Notícias * charge capa "Jarbas" no Carcará 

"Menos Estado? Além de escola, creche, posto de saúde ou ônibus, vai faltar mais o quê?". O autor da pergunta tem 32 anos e mora nas franjas de São Paulo. Participou de uma pesquisa que colheu depoimentos ainda na periferia do Rio, Porto Alegre e Recife. Dez grupos de oito pessoas cada e 40 líderes comunitários, ouvidos a partir de um roteiro com duração de até três horas, compõem a mostra. Todos são egressos da classe C, origem de 80 milhões de brasileiros.

Os resultados desestimularam o grupo de empresários que pretendia montar um movimento para influenciar nas próximas eleições e encomendara a pesquisa a André Torreta. Publicitário especializado em classe C com incursões no marketing político (Roseana Sarney e Geraldo Alckmin), Torreta hoje está associado à Cambridge Analytica, empresa que participou da campanha do presidente americano, Donald Trump. Ao expor sua colheita a um banqueiro ouviu a seguinte proposta: "Quanto você quer para não divulgar isso?". 

Os depoimentos assustam porque mostram a dramaticidade de uma sucessão que escancara inadiável enfrentamento de suas desigualdades. Se há um Brasil em que o Estado não cabe mais no PIB, há um outro que está dele excluído. O acerto de contas comporta riscos e incertezas que cabem na democracia mas custam a se ajustar às planilhas. 

Maior qualidade é a de se colocar no lugar do eleitor 

A retomada da economia de que fala a propaganda não existe. A sensação generalizada é de vulnerabilidade e de que a terra prometida no país de 13 milhões de desempregados ficou ainda mais longe. Um jovem de 23 anos, do Recife, constata que a distância entre ricos e pobres aumentou. Junto com o consumo despencou também a autoestima. "Disseram que sou classe C, mas a classe C foi para o brejo", disse outra entrevistada, de 35 anos, de Porto Alegre.

Os entrevistados são indiferentes às reformas previdenciária e trabalhista pela simples razão de que não as compreendem. Talvez por isso não tenham engrossado os protestos de maio. A ficha pode cair para aqueles que estiverem empregados e, com a vigência das novas leis trabalhistas, já não receberem, compulsoriamente, o dissídio de suas categorias no próximo ano. 

Em 20 anos de mapeamento das apreensões da classe C, a viu migrar do funk ostentação para a sofrência, como no sertanejo de Wesley Safadão ("Porque homem não chora"). Mas nada o surpreendeu tanto quanto a ênfase no valor da educação. Muitos atribuem seu status de desempregado ao grau de escolaridade. O jogador de futebol não é mais o símbolo de ascensão social, mas não lhe venham dizer que o esforço pessoal resolve tudo. "Meritocracia? Nasce lá em Vila Nova Cachoeirinha e vê se a escola em que estudei tem a mesma qualidade da escola de gente rica", pergunta uma moradora da periferia de São Paulo, de 23 anos. 

Cinquenta anos depois da pedagogia do oprimido, a percepção, finalmente, é de que a educação liberta. Um entrevistado diz que para os políticos não interessa haver eleitores inteligentes. Outro relata o dia em que, ao contar ao pai quanto custaria, de fato, a geladeira comprada no crediário, se emocionou ao vê-lo chorar. O azedume com a política de juros num país que tem 60 milhões de inadimplentes confirma a manchete do Valor de ontem ("Juros de cartão caem, mas inadimplência segue alta") e abre novas fronteiras - de embate ou mistificação - ao discurso político. 

A vulnerabilidade cresce com a percepção de vazio político para o encaminhamento de uma solução. Uma moradora do Recife, de 36 anos, diz que esse vácuo é um problema maior que desemprego, saúde, educação e segurança. A percepção não é de uma política dominada pela corrupção, mas de um país inteiro, a começar dos próprios entrevistados, que não se reconhecem como santos de pau oco. 

A autocrítica não os impede de desejar a continuidade da Lava-Jato, mesmo que o combate à corrupção imponha uma extensão do purgatório. "Tropa de Elite" substitui "Cidade de Deus" como narrativa da conjuntura. Sai Buscapé, o menino que sobrevive ao descaso e à violência, e entra o capitão Nascimento, policial que enfrenta a aliança entre o crime organizado e a política. 

A percepção é de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva era honesto quando presidente e se corrompeu depois. Do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso as lembranças são raras e esparsas, relacionadas ao seu partido e ao processo de privatização. Ambos, na memória dos entrevistados, estão associados a corrupção. A ex-presidente Dilma Rousseff virou pó. E o atual ocupante do cargo simplesmente não existe. 

De tudo que viu e ouviu, Torreta concluiu que, de tão disseminada a percepção de corrupção na política, o eleitor se mostra mais sensível ao argumento da eficiência. Desde que seja administrada a favor do eleitor e sem a estampa de gestor que, na sua cabeça, é sinônimo de patrão. Contra o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, por exemplo, pesa a cobrança extra pela integração entre ônibus e metrô. O azedume é indiscriminado mas a percepção não é embotada. "Os partidos são iguais, os interesses é que são diferentes", disse um morador do Recife, de 43 anos. 

Qual é a maior qualidade de um político? Honestidade não vale. É condição. Quando ouviu a palavra empatia se repetir nos comentários de um grupo do qual participava como audiência, Torreta decidiu intervir. Achou o conceito sofisticado demais para ter sido trazido à tona naquele grupo. Mas a definição era cristalina. "Eles não sabem o que é ter um filho com asma e ter que pegar ônibus, metrô, trem pra ficar na fila de um hospital", disse uma moradora de 46 anos, do Recife. 

Descobriu que as formulações sobre empatia vinham da interação dos entrevistados nas redes sociais, espaço em que muitos haviam, de fato, aprendido a ler e escrever e em que a maioria tem mais amigos do que jamais imaginariam na vida real. O eleitor que se politiza na intolerância das redes sociais se prepara para mandar um recado ao político incapaz de se colocar no seu lugar. Vai muito além do que jamais curtiu.

Maria Cristina Fernandes (foto) é jornalista do Valor. Escreve às quintas-feiras. E-mail: mcristina.fernandes@valor.com.br 
__________________________________________________________
Acesse, curta e recomende o JORNAL DO NASSIF

Participe do BLOG e comente esta matéria (dentro das regras abaixo)!

- Enviaremos um e-mail para confirmar se a postagem realmente é sua e não um fake (seu endereço de e-mail não será publicado, será mantido sob sigilo).
- Os comentários serão moderados e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva do autor do comentário.
- Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1000 caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência.
- Não há, contudo, moderação ideológica.
A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade.
Obrigado!

Limite de caracteres no comentário : 1000

Total restante: