19 de agosto, 2018
878

'DENÚNCIAS' - Decisão da ONU sobre Lula: Mídia brasileira tentou transformar fato em fake

VIOMUNDO por Conceição Lemes: Paulo Sérgio Pinheiro é diplomata aposentado, foi ministro de Direitos Humanos no governo Fernando Henrique Cardoso e atua no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU).

VIOMUNDO DENÚNCIAS por Conceição Lemes:18/ago/2018 às 16h48 * NR Jornal do Nassif: atualizado em 20/ago/2018 - 20h58

Em entrevista à repórter Marilu Cabañas, da Rádio Brasil Atual, sobre a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU, que reafirma os direitos de Lula ser candidato à Presidência, Pinheiro observou:

É claro que a grande imprensa vai dizer que não vale, que é só mais um órgão da ONU. Não é esse o caso. O Brasil se obrigou a cumprir as decisões exaradas pelo Comitê de Direitos Humanos. É uma decisão de um órgão que o Brasil reconheceu a sua competência”.

Enquanto a imprensa brasileira atua politicamente contra a sua candidatura, tenho acompanhado a imprensa internacional, em jornais como o The Economist, Le Monde, The Guardian e The Independent, que têm feito editoriais mostrando o absurdo da prisão do ex-presidente Lula.”

Na mosca. 

Nessa sexta-feira, a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU foi a notícia mais comentada no twitter. Mereceu reportagens extensas em jornais, TVs e agências de todo o mundo.

Já a grande mídia tupiniquim tentou minimizá-la ao longo de toda a sexta-feira, culminando com o Jornal Nacional, que praticamente a ignorou. 

O Lula.com.br. denunciou o fato no post Globo esconde a decisão da ONU e censura PT:

A notícia (…) mereceu 15 segundos no JN. Em seguida, 45 segundos para uma nota mentirosa do Itamaraty e mais 20 segundos com declarações do ministro da Justiça ofensivas à ONU.

Para encerrar, meia linha da nota do PT solicitada para responder o Itamaraty e o ministro

A nota completa do PT que o JN privou os seus telespectadores de conhecerem é esta:

Desde 2009, o Brasil está obrigado, por lei, a cumprir as decisões do Comitê de Direitos Humanos da ONU, como esta que determina o direito de Lula disputar as eleições. É o Decreto Legislativo 311 do Congresso Nacional. O resto é falsidade. O ministro da Justiça mostrou que não conhece a Justiça. E o Itamaraty mostrou que não respeita os tratados internacionais. É vergonhoso que o Brasil tenha chegado a este vexame mundial, como consequência da perseguição a Lula.

O GLOBO FOI O ÚLTIMO A DIVULGAR (MESMO ASSIM ESCONDIDINHO): ÀS 16H54

Às 10h35, dessa sexta-feira, 17 de agosto de 2018, o Viomundo publicou:

URGENTE: Conselho de Direitos Humanos  da ONU decide que Lula  tem pleno direito de ser candidato; a decisão é obrigatória 

No final da tarde, entre 17h e 18h, fizemos uma busca nas capas dos portais da grande imprensa brasileira, para verificar a cobertura.

Visitamos também as páginas internas, para saber a que horas as matérias foram para o ar.

O UOL foi o primeiro a trazer o assunto para capa.  Deu espaço no topo da página, ainda que sem o destaque que a notícia exigia.

A sua primeira postagem foi às 11h52.

Já o Estadão, pelo menos até as 17h30h, ignorava a decisão da ONU nas manchetes principais.

Na capa, tinha Bolsonaro, Marina, Alckmin.

O manchetão era o ministro Luis Roberto Barroso, do STF, que julgará as ações que buscam impugnar a candidatura de Lula no TSE.

Mas NENHUMA PALAVRA na capa sobre a decisão da ONU, embora às 11h33 tenha colocado no ar uma matéria do correspondente em Genebra, Jamil Chade.



Assim como o Estadão, o G1 escondeu dos seus leitores a notícia que foi assunto em toda a mídia internacional.

Para isso, recorreu a certos malabarismos.

Por volta das 17h30, o manchetão do G1 era o ministro Barroso.

Seguiam-se três outras manchetes menores.

A primeira, sobre a Disputa pela Câmara. A segunda tratava de fake news.

Na terceira manchete, o G1, num gesto de “magnanimidade jornalística”, dedicou uma sub-chamada à decisão da ONU favorável a Lula.

A propósito, só às 13h23, o G1 publicou a primeira postagem sobre a decisão da ONU.


Mas o “campeão” foi o jornalão da família Marinho.

Dos portais da grande mídia, O Globo foi o que demorou mais mais tempo divulgar o fato do dia.

Só às 16h54  publicou o primeiro texto sobre o tema.


Obviamente, os jornalistas Lauro Jardim, Merval Pereira, Ancelmo Gois e Miriam Leitão sabiam da decisão da ONU,  mas agiram como se ela não existisse , como mostram as chamadas de suas respectivas colunas na capa do portal de O Globo em torno das 18h.



Tal qual o G1 e o Estadão, o manchetão de O Globo online era dedicado ao ministro Barroso; no olho, uma reles menção à decisão da ONU.

Todo jornalista sabe que esconder notícia ou escamotear a sua importância são formas de censura e manipulação.

Será que Merval Pereira, Lauro Jardim, Ancelmo Gois e Miriam Leitão tinham a esperança de que, num passe de mágica, o fato do dia se transformasse em fake news, como é habitual na grande mídia tupiniquim?

Como perguntar não ofende, uma última questão:  o Jornalismo que eles praticaram nessa sexta-feira é fake ou não?
_________________________________________________________

Leia também:

DCM DIARIO DO CENTRO DO MUNDO: Imprensa desonesta: Comitê da ONU era sério e apartidário quando negou cautelar a Lula, agora não vale nada, por Joaquim de Carvalho - 20/ago/2018

A imprensa, que praticamente ignorou o comitê de direitos humanos da ONU no episódio da decisão favorável a Lula, deu destaque ao órgão em maio deste ano, quando a decisão tomada era desfavorável a Lula.

As duas decisões foram tomadas por Sarah Cleveland (foto), professora de direito na Universidade de Columbia, membro do comitê.

A defesa do ex-presidente havia pedido medida cautelar da ONU para obrigar o Estado brasileiro a libertar Lula, enquanto os recursos não fossem julgados pelas cortes superiores no Brasil.
_________________________________________________________


A imprensa internacional e o comunicado da ONU - TV GGN Publicado em 19/ago/2018 - Reação dos jornais internacionais e das autoridades e jornalistas brasileiros.

_________________________________________________________

Com Supremo, com tudo. Só esqueceram da ONU,
por Carol Proner na CARTA MAIOR em 19/08/2018 13:46


Affirmanti incumbit probatio
(Brocardo jurídico em desuso no Brasil)


O  silêncio do grupo Globo decide mais que qualquer juiz no Brasil. A tática agora é não pautar assuntos constrangedores ou aqueles que não podem ser sustentados sem o apelo à mentira. E é por isso que não há muitas linhas sobre o recente caso da ONU, assim como também passaram em branco os “golpes blancos en América latina” alertados pelo Papa Francisco na visita dos brasileiros ao Vaticano. Mas, in dubio, pode ser que as câmeras dos cinegrafistas da emissora tenham contraído uma espécie de vírus, no dia do registro da candidatura de Lula, e se esmeraram em imagens laterais, deixando fora de foco aproximadamente 30 mil pessoas...
__________________________________________________________


VIOMUNDO - POLÍTICA - 17/AGO/2018 às 16h35: Paulo Sérgio Pinheiro: “A grande imprensa vai dizer que não vale, é só mais um órgão da ONU. Mas não é o caso de Lula e da Comissão de Direitos Humanos” 

DIREITOS PRESERVADOS - Brasil ‘se obriga’ a cumprir decisão da ONU sobre Lula, diz Paulo Sérgio Pinheiro (foto).
Ex-ministro do governo FHC, diplomata destaca que ordenamento jurídico brasileiro reconhece a jurisprudência das decisões do Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas... (continua link no título da matéria).
__________________________________________________________
Acesse, curta e recomende o JORNAL DO NASSIF

Participe do BLOG e comente esta matéria (dentro das regras abaixo)!

- Enviaremos um e-mail para confirmar se a postagem realmente é sua e não um fake (seu endereço de e-mail não será publicado, será mantido sob sigilo).
- Os comentários serão moderados e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva do autor do comentário.
- Não serão aceitas mensagens com links externos ao site, em letras maiúsculas, que ultrapassem 1000 caracteres, com ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência.
- Não há, contudo, moderação ideológica.
A ideia é promover o debate mais livre possível, dentro de um patamar mínimo de bom senso e civilidade.
Obrigado!

Limite de caracteres no comentário : 1000

Total restante: